sexta-feira, 25 de abril de 2014

Fazia-se na mesma mas em mais bonito

Neste dia de celebração, para não parecer que me apanhei de feriado e lancei âncora no sofá, e já que hoje a liberdade anda na boca de toda a gente (grande porca), aqui vos deixo algumas interpretações fofinhas do que é afinal este conceito. O de ser livre.

 


 
 
Encham-me os jornais e os telejornais de retrospetivas de quatro décadas, andem lá pelas ruas a gritar palavras de ordem ainda atuais, entupam-me os tímpanos pela milionésima vez com as mesmas canções. Mas pordeus não me agitem cravos à frente do nariz.
Se há flor que me mexe com os nervos são os pindéricos dos cravos.

Então não se fazia uma revolução tão mais bonita com tulipas? Com frésias? Até com jarros?
“Ah e tal mas isso também faz parte da liberdade. Podermos poluir com flores horrorosas tudo o que é cartaz e folha de revista. Porque somos livres.”

Não dá para falar convosco.
Adeus.



11 comentários:

  1. E com Gerberas? As várias cores iriam dar uma tonalidade engraçada à Revolução. No entanto, o nome seria mais difícil de pronunciar. E de traduzir. :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São cravos por culpa de um restaurante que completava nessa data um ano. Os funcionários foram dispensados, por causa da revolução, e foram-lhes entregues os cravos que seriam distribuidos nesse dia pelos clientes. Uma das pessoas que levou os molhos de flores achou por bem dá-los aos militares que os puseram nas espingardas. E daí nasceu a nossa revolução dos cravos. Podia ser dos guarda-chuvas de chocolate. Ou dos smarties.

      Eliminar
  2. Excluindo a análise etimológica e o que daí naturalmente decorre e resumindo, liberdade não é senão a capacidade de cada um poder decidir sem qualquer constragimento ou imposição de outrém e em consiciência, sabendo que terão consequências as escolhas que fazemos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente nem toda a gente compreende e/ou aceita que há sempre consequências.

      Eliminar
  3. Pessoalmente não acho o cravo muito bonito mas é uma flor resistente. Própria para revoluções. Pessoalmente adoro papoilas, mas acho que no fim a malta acabava só com os talos na mão.
    Bem assim sendo voto na revolução dos girassóis. Pelo menos é vistoso! ;)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazia um bom contraste, sim senhor!

      Eliminar
  4. Anónimo11:22

    Quanto a mim liberdade é o direito de tudo podermos dizer e fazer, mas a nós que não no-lo digam nem façam porque senão temos o caldinho entornado.
    Ah! Era de flores que se tratava?! Todas são desculpáveis quando se trata de paneleirices.
    O anónimo das carícias bocais, doravante "o anónimo"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que entende por "paneleirices", Anónimo?

      Eliminar
    2. o anónimo.16:47

      Entendo entre distinguir cravos e rosas, ou quaisquer outras flores para justificar a recordação de uma revolução.
      Flores é galanteio, é romantismo, é romance, enfim. Revolução é balas, porrada e sangue. Pelo menos foi assim todas as que até agora conheci.

      Eliminar
  5. Anonimo se liberdade fosse podermos fazer o que quisessemos imagina o caos que era!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o anónimo16:48

      Está certo! Foi o que eu disse.

      Eliminar

Sonhos